Biblioteca Ideal (3) – A Volta ao mundo em 80 Dias

A Volta ao Mundo em 80 Dias | Jules Verne

a volta ao mundo em 80 dias

Retomo “A minha Biblioteca Ideal” depois de “Guerra e Paz” e “O Principezinho” a minha escolha recai sobre “A volta ao mundo em 80 Dias” um livro que desde à muitos anos continua a ser para mim um livro referência.

Desde muito novo que vibro com “quase” todas as histórias de Jules Verne, a quem muitos insistem em chamar Júlio.

Quando era miúdo, penso que teria talvez um 8 ou 9 anos, esperava ansiosamente, pelas aventuras de Willy Fog, um personagem de desenhos animados inspirado na mais famosa obra do autor Francês. Nessa altura, ainda não existia Internet, nem DVD’S onde pudesse saciar a minha paixão por aqueles desenhos animados. Nessa altura existiam apenas dois canais de televisão, muitos ainda os viam a preto e branco, mas tenho quase a certeza que são poucas as pessoas da minha geração que não tenham visto estes desenhos animados. A par de Dartacão e os três Moscãoteiros, (outra excelente série de animação, inspirada, num outro grande livro, que falarei um destes dias).

Anos mais tarde, (e porque houve um período na minha vida, que estudei fora) tive na escola, vários livros de leitura obrigatória, para mais tarde pequenos questionários sobre a sua leitura. Desde talvez o segundo ciclo que me foi incutido o gosto pela leitura e o amor pelos livros. Sou da opinião que o gosto por ler se vai aprendendo e que tem de se começar por algum lado. Ora foi precisamente com “A Volta ao mundo em 80 Dias” Os Três Mosqueteiros” ou a “A Ilha do Tesouro” que aprendi a a mar os livros. O Facto é que depois disso, reli em vários momentos esta extraordinária e inesquecível aventura.

Os livros de Verne são para mim de uma riqueza e magia sem par na história da literatura, A sua obra tem mais de uma centena de títulos, sessenta e quatro deles pertencentes ao ciclo das Viagens Extraordinárias. Mas o autor é imediatamente reconhecido por “A Volta ao mundo em 80 dias” ” 20.000 Léguas Submarinas” e “A Ilha Misteriosa”. Títulos que já deram origem a séries de televisão e a várias adaptações cinematográficas. Jules Verne a quem muitos apelidaram de louco, fantasioso, visionário, continua a ser um  dos meus autores favoritos, possuo mais de 70 títulos seus, que têm um lugar de destaque não apenas entre os meus livros, mas também no meu coração.   Mas afinal o que tem de especial este livro?

A Volta ao Mundo em 80 Dias

Phileas Fogg, um cavalheiro britânico, aposta com os membros do seu clube que fará a volta ao mundo em oitenta dias. E hei-lo que parte acompanhado do seu criado Passepartout, um parisiense esperto e expedito. Para ganhar a aposta, teria de regressar a Londres em 21 de Dezembro de 1872, às vinte horas e quarenta e cinco minutos. Acusado, porém, de ser o audacioso assaltante do Banco de Inglaterra, Phileas Fogg será permanentemente perseguido pelo detective Fix, que, todavia, nunca consegue detê-lo… A Volta ao Mundo em 80 dias, um dos romances mais célebres de Júlio Verne, alia à graciosidade e ao humor, o verdadeiro espírito da aventura, do “suspense” e de um brilhantismo de escrita que raras vezes foi igualado.

Embora muitos dos livros lançados tragam em suas capas a foto de um balão, não há momento algum na história em que os personagens se utilizem dele. Em certa ocasião, Phileas Fogg cogita o uso de um balão, mas a ideia fica só na imaginação.

É curioso que Verne quando escrevia a série “A Volta ao Mundo em 80 dias” (na altura a obra saía por episódios), ocorreu uma febre tal na população para comprar os folhetins, que as companhias de navegação ofereceram fortunas para que as personagens dos livros fizessem a última etapa num dos seus navios.

É aconselhável, para que a leitura deste livro seja mais interessante e profunda que o leitor, tenha uma visão global do planisfério terrestre, e que possua alguns conceitos básicos de geografia, principalmente na compreensão de coordenadas. Outra sugestão, que também torna a leitura deste livro muito interessante é acompanhar a viagem com um mapa ou um atlas do mundo, quanto mais completo e pormenorizado melhor.

Trajecto: Phileas Fogg e Jean Passepartout foram de comboio de Londres a Dover e atravessaram o Canal da Mancha até Calais de navio. Daí a Paris, de comboio, seguindo até Turim e Brindisi (porto italiano no mar Adriático). Embarcaram no vapor Mongolia, que cruzou o canal de Suez e deixou-os em Bombaim (Índia).
Seguiram de comboio para Calcutá, embarcaram no vapor Rangoon para Singapura e Hong Kong; e na escuna Tankadere para Yokohama, no Japão. Dali o embarque foi no poderoso navio General Grant que aportou em São Francisco (EUA). Cruzaram o continente americano pelo caminho de ferro Pacific Railroad até New York, e o Atlântico no barco Henrietta até o porto de Liverpool, na Inglaterra e finalmente de comboio até Londres.

Recomendo-vos 2 sites que costumo seguir com alguma frequência, onde poderão encontrar “quase” tudo o que a Verne diz respeito. E em Português. (Tenho a certeza de que vão gostar.

http://jvernept.blogspot.pt/

http://jverneportugal.no.sapo.pt/

Anteriormente em: Biblioteca Ideal:

1.  Guerra e Paz

2. O Principezinho

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s