Estórias de Mim

Por ti… Inevitavelmente

Para Ti… (que um dia inevitavelmente seguirás sem mim)
Todo o meuAmor.

beatriz
15747569_1362410093793808_8379701948454825635_n-1

Absolutely Flawless

 

Escolhi para ilustrar o primeiro post de 2017 uma imagem captada pelo amigo “AA”  numa ida (sempre mágica) à Vila e Serra de Sintra em Novembro passado.

A Imagem retrata um momento de talento puro na arte de  criar  bolas de sabão gigantes. Básico e simples não é?
Com o Avançar dos anos olhamos cada vez menos para o ostentativo e passamos a enxergar mais a beleza dos pequenos quês que começam a ser cada vez maiores aos nossos olhos. (vale mais tarde do que nunca)

Com os anos vamos dando cada vez menos importância à superficialidade da coisa e das coisas com que nos deparamos quase diariamente rejeitando os velhos clichés e as frases feitas. Há quem diga que é falta de paciência, outros chamam-lhe maturidade.

Paz, saúde, amor, dinheiro, trabalho, etc, etc, etc, são os eternos desejos que queremos para nós e que transmitimos aos que estimamos. Com o passar dos anos, vamos-nos apercebendo de que alguns sonhos e alguns desejos nunca se irão realizar. Não é derrotismo… são certezas.
Afinal o que distingue um último dia de calendário dos outros dias do ano? (deixo a resposta ao vosso critério)

O meus desejos? Que possa continuar a desejar-vos um bom ano (por muitos anos). Que vivam cada um como se fosse o primeiro! (porque cada dia e cada ano são isso mesmo, mais tempo e oportunidade de corrigir ou de fazer diferente. de reparar pequenos gestos e de reparar (mais) em pequenos gestos.
Que cada dia possa ser à semelhança da Bola de sabão da imagem, uma bolha de ar que rebentará em novos desejos e sonhos e aprendizagem (sempre)

O meu desejo é o mesmo do ano passado, e do outro e do outro e outro….
2017… (é apenas mais um(a) bolha)
A aventura continua… que seja perfeita então.

Bom dia a todos os que prosseguem…

3 de Janeiro de 2017

Logo GIF

Marco abergo

À MEMÓRIA DE: JOÃO BALSA
1949 – 2016

Apenas nos iludimos, pensando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre.

Frase – Miguel Sousa Tavares
Fotografia – © Marco Abergo

Quarenta e um

À MEMÓRIA DE KATERINA BARBOSA

(Nascer, Viver… Renascer)

nascer viver renascer

Fecha os olhos… Pede um desejo!
Sopra! – Vês? – Acenderam-se todas!

Fotografia: Released on: 2016/19/29
© – Nuno Chaves | Smartphone Pic
Barreiro| Avª Escola dos Fuzileiros Navais
(parte do graffiti/mural no mesmo local)

Ciência e Fé…

Science and Progress, don’t speak as loud as my Heart

ciencia e fé

Um dia…

“One day you’ll leave this world behind, so live a Life you will Remember”

2

mj cake

Que nunca deixes apagar esse teu sorriso que nos encanta hoje, tanto quanto noutro dia qualquer.
Teu.

Explicação da Eternidade

“Devagar, o tempo transforma tudo em tempo.
o ódio transforma-se em tempo, o amor
transforma-se em tempo, a dor transforma-se
em tempo.

os assuntos que julgámos mais profundos,
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis,
transformam-se devagar em tempo.

por si só, o tempo não é nada.
a idade de nada é nada.
a eternidade não existe.
no entanto, a eternidade existe”.

(José Luís Peixoto) in “A criança em Ruínas”

logo

MJ’s Birthday em 2015

A Dor é inseparável da Alegria… Ainda o Pintassilgo

«É capaz de te surpreender, Theo, que coisas pequenas, de todos os dias, possam tirar-nos do desespero. Mas ninguém o pode fazer por ti.
És tu que tens que estar atento à porta aberta.»

13900143_1215421868492632_7486361458301098189_n

In: O Pintassilgo – Donna Tartt
Edição Portuguesa – (p. 195)

THINK OUTSIDE THE BOX

– Quantas vezes quebraste as regras?  Regras limpas, sem batotas, sem trapaças. Regras instituídas e supostamente correctas, Quantas vezes? Só porque sim, só porque tem de ser.
– Quantas vezes quebraste as regras?
– Quantas vezes jogaste limpo? quantas vezes jogaste certo e foste o perdedor?

Pensa fora das regras, pensa fora da caixa.

Pensa fora de ti, fora dos outros, fora de tudo, fora do mesmo.
Pensa fora do certo nos momentos incertos, pensa direito, pensa ao contrário e quebra as regras se necessário.

Nuno Chaves 22 Julho 2016

20160720_200620

IMAGEM:
T-shirts da T-shirts and all, à venda no nº 148 da Rua da Prata na baixa de Lisboa.

 

Contar Estrelas

contar estrelas

Que sejam eternas as estrelas que nos habitam e que nunca partam de nós.
Que se multipliquem as eternas crianças e que fiquem apenas aqueles que como elas acreditam que no céu as estrelas são reflexos da nossa felicidade
Acreditem e façam com que brilhem, mas nunca, nunca deixem de as contar

Nuno Chaves – 24/02/2016

There’s a place I go to. Where no one knows me
It’s not lonely. It’s a necessary thing
It’s a place I made up
Find out what I’m made of
The nights are stayed up
Counting stars and fighting sleep

Quarenta

Sopra ! – disse ela.
E acenderam-se todas!

Inês De Barros Baptista

Inês De Barros Baptista

Sim… Prometo-me acender muito mais… e não, não falo de velas. Falo de Vida.
Sim… cumpro tudo o que prometo!
Não, Nunca prometi nada que não possa cumprir

(Voltarei a acender-me)!

* Obrigado à minha amiga Katerina a mais Portuguesa das Gregas que conheço, (não conheço mais nenhuma) pela partilha da frase que marcou de forma profunda os meus 40 anos.

#Estórias de Mim – Ir ou Ficar?

ir(es) ou Ficar(es)?  – Eis a Questão.  A nossa questão…

 

Partir ou Ficar?
Gostava que… Que me entrasses novamente olhos dentro e me trespassasses de sorrisos.
Que chegasses novamente naquela noite escura, onde sem palavras me beijaste em silêncio e com urgência. Aquela noite onde apenas de carinho te muniste, aquela noite quando me pegaste na mão e nos conduziste.
Onde sem palavras e sem medos juntaste os pedaços do caco que encontraste e que sem pressa voltaste a colar sem saber.

Que me olhasses novamente nos olhos daquela forma e que me voltasses a seguir na escuridão, onde ambos nos perdemos. Uma escuridão onde ambos saciámos a vontade da nossa pequena eternidade.
Gostava que ficasses, como me pediste para ficar naquela noite em que te tentei resistir. na noite em que me reencontrei e me voltei a perder.

Lembro-me de te cravar o olhar e de avançar, corajoso, rumo ao desconhecido numa escuridão que se iluminou de repente e de desejo.
Gostava que te deixasses levar uma vez mais, muitas vezes e que me iluminasses.
Que me despisses, como me despiste… A alma, o muro, a roupa, onde tudo caiu e apenas ficámos os dois. que te perdesses novamente na loucura com te transformaste, com que nos transformaste.

Ir ou ficar(es)? eis a questão… a minha questão.
Por muito que te doa… Queria pedir-te que ficasses.

Nuno Chaves 29 Agosto 2015

 

  • Imagem do artigo Retirada da web

Get Up

Dizem que as Palavras… leva-as o vento…
Uns dias sim, uns dias não, Outros dias sim ou não?

estorias de mim

Disse-te há tempos que tinha perdido o sorriso e que nunca mais sorri para uma fotografia. “Já não sei sorrir” (foi o que te disse).

Dizem que todos os que passam pelas nossas vidas vêm por um qualquer propósito… Uns demoram-se mais do que outros, mas todos passam e nos ensinam algo. Não sei… com os anos fui descrendo tanto, mas tanto; que simplesmente me limitei a ser. A ser e nada mais.
Não esquecerei que me disseste: “Voltarás a sorrir, mais cedo do que julgas”!
Sabes… tinhas razão!…

Esta manhã sai novamente de casa numa daquelas madrugadas habituais em que quilómetro a quilómetro, fustigo o Corpo e a Alma de forma a esquecer as tais sombras que ainda persistem.
Atravessei uma Lisboa vazia, onde corri de headphones na cabeça ao som de uma música meio lamechas mas cheia de esperança. (Cheio de esperanças).
E sorri… sorri porque hoje é o dia do teu aniversário. procurei as palavras certas para mais tarde te escrever.
“Quero fazer um texto bonito” (pensei), escrever qualquer coisa que te emocione, e assim te lembres de mim.
Mas sabes que não tenho jeito para grandes floreados não sabes? Sabes que sou meio tonto, meio tosco, mas que ainda assim sou eu, o teu amigo.

Dizem que as Palavras… levam-nas o vento… uns dias sim, uns dias não, Outros dias sim ou não?
Ficam os gestos, ficam os actos, fica a entrega, fica o afecto.
Poderia dizer-te tanta coisa, sobre essas noites e sobre esses dias em que o que ficou, foi apenas o que tinha de ficar.

“gosto de ti”  hoje! Tanto quanto gosto noutro dia qualquer.
Creio que é isto que te queria dizer… E é tão simples.
Que te demores nesta vida… e que um dia quando já fores velhinha, te lembres de mim e me recordes assim.

Feliz Aniversário Mj | 25/08/2015