Mário Soares – 1924-2017

Talvez não saibas, mas convém ter memória se queres entender o mundo e se queres perceber o país onde nasceste.

Não haveria democracia se não fossem pessoas que se opuseram ao regime como Mário Soares, como Álvaro Cunhal. São nomes que porventura fazem parte do teu livro de História, mas não são apenas nomes. São lutas, percursos, ideias. Mário Soares, que foi um presidente-rei (por ter esse carisma), nasceu no século XX numa família republicana e oposicionista. Oposição a quem? Ao regime. Ouvirás dizer que a nossa ditadura não foi como a ditadura do país A ou B, deixa-me que te diga que uma ditadura nunca é boa.

Hoje estás aqui, na internet, com a liberdade para veres o que queres, ouvires o que gostas, escreveres o que te passa pela cabeça. Chama-se liberdade de expressão e até há 41 anos – tão pouco tempo – não era possível dizer em liberdade o que quer que fosse. Porquê? Porque viver em ditadura, num regime, é não ter liberdade para nada. Mário Soares, com defeitos e qualidades, é um dos homens que lutou para que Salazar, e depois Marcelo Caetano, passasse à História, e deixassem que Portugal cumprisse um destino melhor, livre e democrático.

Já sei que a democracia tem defeitos, não precisas de mo dizer, mas é melhor do que qualquer outro regime. Seja qual for. Por isso, quando hoje ouvires dizer que Mário Soares faleceu entenderás que é uma parte da nossa História Contemporânea que morre. Homem que defendeu valores que importam mais do que a política, por ter defendido que Portugal podia ter futuro. E tu estás a viver essa possibilidade, apesar de tudo.

E escrevo “apesar de tudo” por saber que não estamos em maré de coisas boas e seres massacrado com questões como o desemprego, o dinheiro que não terás para isto ou para aquilo. Talvez tenhas um professor a dizer que precisas de tomar conta das tuas notas, da tua média. O futuro é que conta. Antes da revolução de 1974 – não te vou repetir as aulas de História, tenho demasiado respeito por ti para te maçar com tanto – Portugal precisou de homens como Mário Soares. Talvez amanhã sejas tu um Mário Soares e ajudes a fazer com que o país cresça, evolua, seja melhor.

Hoje lembra-te que para saber onde vamos importa saber de onde vimos.

Carta a um jovem de 15 anos por causa de Mário Soares, por: Patrícia Reis
In. Sapo.pt

Anúncios

George Michael – 1963-2016

So you scream from behind your door
Say “what’s mine is mine and not yours”
I may have too much but I’ll take my chances
Because god’s stopped keeping score
And you cling to the things they sold you
Did you cover your eyes when they told you
That he can’t come back
Because he has no children to come back for

It’s hard to love, there’s so much to hate

GEORGE MICHAEL
“Praying For Time”

Nicolau Breyner – (1940-2016)

“Detesto o Inverno. Muitas vezes digo da vida: ‘Quantos verões me faltam?’. Adorava morrer num daqueles dias chuvosos, feios, com vento, para não ter pena.”
In: Público, 2010

NICOLAU BREYNER

NICOLAU BREYNER
1940-2016

Estando a passar por uma fase mais “macambúzia” Esta manhã levantei-me e sentei-me em frente ao ecrã, revi “Os Gatos não têm Vertigens” Uma vez mais emocionei-me perante um dos melhores filmes Portugueses dos últimos anos. Um filme que de tão simples se torna enorme.
À tarde liguei a televisão e senti-me de repente meio vazio ao olhar perplexo para a notícia que deixou um País inteiro incrédulo. Partiu o Senhor contente

Do teatro à revista, da televisão ao cinema, sou de uma geração que se habituou a ver a admirar e aplaudir Nicolau Breyner, como se fosse eterno. Nem sequer é preciso mencionar os trabalhos de que nos lembramos.

Até sempre Nico

Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Harper Lee – (1926-2016)

harper lee

Notícia triste para os leitores de todo o mundo, faleceu Harper Lee, autora de Mataram a Cotovia (1960).

Vencedora do Pulitzer de Ficção de 1961, Mataram a Cotovia ou Por favor não matem a Cotovia dois títulos diferentes para o mesmo livro (publicado em Portugal pela Difel e pela Relógio D’ Água) que foi considerado uma das mais importantes obras da literatura do Século XX.
Recebeu das mãos do presidente dos Estados Unidos em 2007 a “Medalha Presidencial da Liberdade dos Estados Unidos” numa rara aparição pública.
Foi a única obra publicada pela escritora até 2015, quando surgiu “Vai e põe uma Sentinela” (Editorial Presença-2015) o manuscrito que  Lee julgara perdido.
Harper Lee, morreu hoje, 19 de Fevereiro de 2016 aos 89 anos.

Recupero a minha opinião sobre “Por Favor não Matem a Cotovia
(Artigo do Página a Página de 16 de Agosto de 2013)

Alan Rickman – 1946-2016

Alan Rickman