Amar pelos Dois

Por: TIAGO MARTINS
14 Maio 2017

Nem sempre gostei de jazz. No entanto, uma das coisas boas que advém do passar dos anos, o refinar dos sentidos e consequente incremento do bom gosto. Fiquei fã de jazz.
Claramente, o jazz é uma vertente musical em que a voz é essencial, mais do que noutras. Não obstante, o acompanhamento instrumental, no jazz, este pode ser “dispensável”. Não se trata de cantar a capella, mas sim de que quem CANTA jazz, na realidade tem musica na voz. Não se trata só de musicalidade, mas também de musica na voz, literalmente.
Desde, que vi os irmãos Sobral no Idolos, fiquei com água na boca pelo injusto terceiro lugar da Luísa…talvez a única vez que fiquei com essa sensação de injustiça nestes programas e fiquei realmente com sentimento de frustração por “castrarem” à partida uma voz que ficou em mim. Lamentei, que em Portugal, a Luísa “Jazz” Sobral tivesse pouco futuro e principalmente reconhecimento…por esta altura desejei que a Luísa saisse de Portugal para chegar aos píncaros!!
Felizmente o nível cultural e bom gosto pelas artes aumentou muito nos ultimo anos.
Fiquei extremamente feliz com a realidade do sucesso da nossa Luísa, nacional e internacional.
Não posso dizer que vaticinei o mesmo para o Salvador. Na realidade, não lhe vi o mesmo talento nem arte que observei na Luisa.
Mas este êxito elucidou-me!
E agora posso dizer que tenho ORGULHO nos manos Sobral. Merecem reconhecimento e sucesso.
Estes manos irão ser representantes de Portugal no mundo!!!
 * * *