Uncategorized

História | Mudar a Página

Num momento em que o personagem volta a desafiar o futuro mudando o rumo, num daqueles volte face em que a dúvida persiste. No caminho leva consigo a esperança de que novas linhas se escrevam.

É apenas o fim de um capítulo; não o fim da história, essa continuará a escrever-se de uma forma ou de outra, num livro que se mantém aberto e com páginas em branco.
Todos temos (novas) páginas a escrever. e histórias e sonhos para viver e para contar.
Que sejam felizes.

Para ti J. com todo o meu Amor.

* Uma pequena paragem no blogue com a imagem da nova casa dos meus livros, com a certeza de que novas histórias continuarão a ser contadas.

A Dor é inseparável da Alegria… Ainda o Pintassilgo

«É capaz de te surpreender, Theo, que coisas pequenas, de todos os dias, possam tirar-nos do desespero. Mas ninguém o pode fazer por ti.
És tu que tens que estar atento à porta aberta.»

13900143_1215421868492632_7486361458301098189_n

In: O Pintassilgo – Donna Tartt
Edição Portuguesa – (p. 195)

Tenho dito…

Por vezes… somos surpreendidos quando nos encontramos a nós mesmos por aí 🙂
Fiz esta “Reblogagem”da página do meu amigo Zé Torre com frases para todos e para cada um.
Obrigado Amigo!

José Torre photography

É exatamente disso que a vida é feita: de momentos!

Momentos os quais temos que passar, sendo bons ou não, para o nosso próprio aprendizado, por algum motivo. Nunca esquecendo do mais importante: nada na vida é por acaso…

Chico Xaviernuno

View original post

Contra (dicções)

No meio da loucura, da confusão, dos meus muitos “eus”, do querer tudo, do não chegar nunca, do ser nada… sinto ainda o querer… de não querer nada.

Nuno Chaves – Lisboa, 4 Novembro 2015

 

logo

*

Vai aonde te leva o Coração

VAI AONDE TE LEVA O CORAÇÃO

© 2015 Nuno Chaves Smartphone Captur Released on: 2015-07-07

*

Vai aonde te leva o Coração…
A única coisa que terás como certo é que um dia chegarás ao fim da linha…

Até lá… a decisão e o livre-arbítrio são teus.
Faz o quiseres, vive como entenderes, Adormece com uma lágrima, desperta com um sorriso.
Vai, tenta, arrepende-te e volta atrás, mas vai, experimenta, atreve-te. Vai aonde te levar o Coração.

Nós por cá… A Vida Costa

Lamento como Português que ainda existam pessoas que para mim são como os cães: Lambem a mão de quem lhes bateu.
É certo que é o povo quem mais ordena, mas….ou são muito estúpidos, ou gostam mesmo de apanhar…
E como a vida Costa a todos… mais valem dois na mão do que um no cu

antonio costa

AO DOMINGO – Don’t Sing

1

VIRAR A PÁGINA

cropped-sem-tc3adtulo19.jpg

Num momento em que decidi colocar de lado um sem número de coisas, quando o pulsar do Coração se alinha novamente com as agulhas da minha vida, creio ser o momento de enterrar algumas histórias do que continuar a deixá-las morrer desta forma agonizante.
Por vezes é preciso saber deixar partir as pessoas e as histórias (mesmo as Felizes). E creio estar pronto para isso.
Após 6 anos de actividade o blogue Página a Página encerra e com ele ficam para trás 6 anos de grandes momentos “Para quem gosta de Livros”
O Blogue irá desaparecer progressivamente, ou pelos menos na forma e nos moldes em que foi criado, fundindo-se para já com “O Outro Lado da Página” e seguirá num registo ligeiramente diferente do espírito original. Contudo os livros continuarão por cá, tal como os artigos que servirão de prova viva do que um dia foi a casa do Página a Página.
É com tristeza que encerro hoje um canto que tantas alegrias me deu e que me acompanhou durante os últimos 6 anos da minha vida.
Creio que chegou o momento de o deixar partir, assim bem como os momentos de mau estar que me acompanharam desde há alguns meses.
Hoje é apenas o fim de mais um ciclo na minha vida, contudo, será com certeza o início para novas viagens.
Tentei sempre dar o meu melhor, como dou em tudo aquilo em que me envolvo. E assim o continuarei a fazer.
Isenção, Verdade, Independência, Irreverência foram e serão sempre adjectivos que caracterizaram esta casa e que me caracterizam enquanto seu autor.

Um Milhão e trezentas mil visitas depois… A única coisa que poderei fazer é agradecer e orgulhar-me do caminho percorrido.
A todos quantos me acompanharam nesta aventura. Obrigado

Nuno Chaves

O Outro lado da Página – O Outro lado do Página a Página

Por razões, que já foram tornadas públicas, receio que o regresso do Página a Página, esteja desta forma comprometido.
Não é um adeus… longe disso, os livros são parte de mim e algo de precioso, e existirão sempre na minha vida, mas a vida vai para além dos livros, não vai?
Irei recuperar de uma fase menos boa da mesma, que talvez seja o sinal que precisava para reflectir e abrandar um pouco. Mas esta viagem é algo de imperativo que devo e preciso fazer.
“Para quem gosta de Livros”, sabe que estarei por cá e que voltarei sempre a este refúgio.
Hoje, amanhã ou depois… voltarei sempre.

Para já fecho esta Página e abrirei com certeza, muitas outras.
Mantenho-me por isso Do Outro lado da Página.

Nuno

cropped-cropped-sem-tc3adtulo63.jpg

Página a Página

Agradeço as mensagens de alguns amigos que tenho o privilégio de serem seguidores fieis do Página a Página, e que têm estranhado a inactividade do blogue que tem andado parado, mas isso não quer dizer que os livros tenham ficado para segundo plano… Com ou sem blogue, os livros fazem parte da minha vida, sempre fizeram, sempre farão.
No entanto há mais vida para além dos livros e das páginas…
Ao fim de 5 anos e de muitos altos e baixos, creio que este espaço encontrou finalmente o seu caminho e sua fórmula. No entanto e para aqueles que me conhecem um pouco melhor sabem que nestes últimos tempos a minha vida passou por um período mais difícil  que se arrastou por 2 longos anos.
Felizmente e como diz o ditado: “não há mal que sempre dure” entrei numa nova fase da minha vida e a curva virou finalmente num sentido ascendente. No entanto deixei de ter tempo para ir actualizando o blogue mas a necessidade de recuperar o tempo perdido impera neste momento.
O Página a Página irá continuar activo, mas de forma menos regular. Podem no entanto contar sempre com a minha opinião acerca dos livros que vou lendo de uma forma isenta e tentando sempre opinar da melhor forma que posso e sei.
Aos “outros” aqueles que durante esta grande travessia no deserto aproveitaram para, mudar de página, espero que o Inverno seja tão agradável, como foi o verão.

Para quem gosta de livros, sempre foi o lema deste blogue e espero poder continuar a manter essa chama acesa, por mim e pelos que me visitam. (Aos poucos que ficaram, obrigado… poucos mas bons).

cropped-cropped-cropped-sem-tc3adtulo631.jpg

Armorial do Exército Português

armorial do exército portuguêsHoje falo do Armorial do Exército Português e embora seja muito diferente das publicações habituais, não deixa de ser um livro… lido.
A História deste livro é especial para mim e tem duas décadas. Requisitei-o vezes sem conta a partir de 1995 da Biblioteca da Unidade Militar onde prestei serviço durante alguns anos. A já extinta Escola Prática do Serviço de Material (EPSM) aquartelada na cidade do Entroncamento.

Nessa altura despertou o meu interesse pela Heráldica Militar do Exército Português, comecei por coleccionar Escudos de Peito (vulgos crachás) hobby que levei muito a sério e que dura até à actualidade.
Mas a curiosidade não ficou apenas pelo coleccionismo, debrucei-me sobre o significado de tais peças, as suas cores, os seus desenhos, as suas origens, a sua criação… E de repente entrei num riquíssimo mundo de histórias reais com gente dentro.
Duas décadas depois este Armorial veio finalmente parar minhas mãos. é um livro muito pesado (no sentido literal) qualquer coisa como 3,5 Kg e não é obviamente o ideal para ler nos transportes a caminho do trabalho.
Prefaciado por Cerqueira Rocha, General Chefe do Estado Maior do Exército da altura, esta obra nunca teria sido possível sem a mão do Tenente-Coronel  José Manuel Pedroso da Silva (simplesmente um dos maiores Heráldistas Portugueses) por quem tenho uma enorme admiração e estima e de quem tenho o privilégio de ser amigo e com quem muito tenho aprendido.
A ideia  de se criar um Armorial é no entanto anterior à nomeação de Pedroso da Silva para Chefe do Gabinete de Heráldica (1993-2010), efectivamente, desde a direcção deste organismo do Exército (GHE) pelo Coronel Guerreiro Vicente que se falava da publicação de uma compilação das armas do Exército, coube a Pedroso da Silva levar o trabalho a bom porto, Apoiado por Guerreiro Vicente.

O Armorial do Exército Português é uma obra extraordinária (para quem se interessa pelo assunto obviamente) e de grande valor histórico, para memória futura. Tem no entanto alguns contras que passo a enumerar:

Na minha opinião a gramagem das folhas é insuficiente. A encadernação deixa muito a desejar, acontecendo por vezes algumas páginas soltarem-se durante o seu manuseamento, visto ser um livro muito grande e muito pesado.
O preço é excessivamente caro para a edição apresentada… Diverge e muito, de livraria para livraria, na Ferin poderá custar cerca de 230 Euros,(completamente absurdo), noutros locais o preço é mais baixo e ronda os 100 Euros, poderá no entanto ser adquirido em vários organismos do exército como O Museu Militar ou a Direcção de História e Cultura Militar por cerca de 50 Euros. (Faz diferença não?)
No entanto (a meu ver) o maior lapso do Armorial do Exército Português é a não referencia das autorias das armas, das iluminuras e a data  de ordenação das mesmas.
As sínteses históricas de cada unidade ou órgão do Exército, são na maioria fracas e pouco esclarecedoras e contêm gralhas sem fim, além de erros gramaticais básicos.
Pessoalmente gostaria que tivesse sido editado por ordem alfabética e não pela estrutura do Exército o que facilitaria bem mais a pesquisa, por parte de quem o lê.
Visto que constam neste Armorial as Armas aprovadas de diversos organismos do Ultramar como por exemplo  as Regiões Militares (RM) e os Comandos Territoriais Independentes, (CTI) tenho pena que tenham ficado por publicar as restantes armas aprovadas dos organismos que entretanto desapareceram, e muitas delas que foram congeminadas, mas nunca chegaram a sair do papel. É certo que o Armorial ficaria ainda mais pesado, mas sem dúvida que seria uma mais valia.
Aguardo com entusiasmo uma nova edição que inclua as Armas que foram sendo criadas posteriormente.

Aproveito para partilhar convosco um um blogue que mantenho em paralelo com o Página a Página dedicado a esta minha paixão, onde poderão ver e ler um pouco melhor, sobre o que estou a falar. Com muitas imagens e algumas sínteses históricas mais aprofundadas, este é um projecto que tenho levado a cabo, com muitas horas de trabalho e pesquisa. Poderão também ver a dita colecção, que se encontra no separador “Escudos de Peito/Colecção Pessoal”.

http://heportugal.wordpress.com/

Está quase tudo dito em relação a este livro tão especial para mim.
Volto em breve, (com os Livros do Costume) – Boas Leituras.

armorial armorial

Prémio Dardos

DardosÉ com muito carinho que aceito este selo que me foi oferecido com tanta simpatia pela Paula Teixeira do Viajar pela Leitura.

Aceito-o principalmente porque a Paula é das pessoas que me acompanha e incentiva desde a criação do Página a Página em 2009. Muito Obrigado uma vez mais.

“O Prémio Dardos reconhece os valores que cada blogueiro mostra em cada dia no seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais… que, em suma, demonstram a sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre as suas letras, entre as suas palavras.” .

Possui três regras:

1- Se aceitar, exibir a imagem.

2- Linkar o blog do qual recebeu o prémio.

3- Escolher 15 blogs para entregar o Prémio Dardos

E Estes são os blogues que escolhi: