O Outro Lado da Página

Gaiolas e Pássaros

« Só se sentiam livres dentro de uma gaiola. A gaiola estava dentro deles»

Afonso Cruz in: A Boneca de Kokoschka

gaiolas e pássaros

Existem pássaros que simplesmente não nasceram para voar…
Viverão para sempre a ilusão do sonho de que um dia serão livres.
Um dia serão livres.

Nuno Chaves – 1 de Setembro 2016

O Toque – O Outro lado da Página

o toque

Recuperar o controlo das emoções, é sem dúvida a forma mais justa e eficaz de dizer basta a tudo aquilo que não queremos, não pedimos, nem merecemos.
Agir em conformidade com tal é meio caminho andado para fechar a porta a novos fantasmas.
Somos aquilo que somos, aquilo que procuramos, aquilo que damos. Somos os caminhos que trilhamos.
De novo eu. Novamente eu. Apenas nesta equação poderemos ser e descobrir o nós.
Nunca. Nunca mais o tu, ou nós ou nada.
De novo eu.

Nuno Chaves – 02 de Março 2015

* * *

Fotografia: “O TOQUE”
© – By: António Carreteiro
Intervenientes na Imagem: Nuno Chaves e Rui Toscano
Todos os Direitos Reservados

logo

I seek to cure what’s deep inside
Frightened of this thing that I’ve become

A Viagem

A Viagem

Conhecer-se a si próprio constituí a viagem mais sofrida que o homem jamais fará.
Nem todos terminarão o percurso, todavia alguns têm o privilégio de iniciar essa viagem quase interminável ao mais profundo do eu que num processo de descoberta se vai desvendando.
Vocações… Agir em conformidade com elas é alcançar a plenitude.
Difícil sim, mas a viagem está a correr da forma certa, algumas vocações aconteceram. A corrida prossegue.
Devagar.

Nuno Chaves – 17 de Fevereiro de 2016

Fotografia: “UNDER THE INFLUENCE”
Released on: 2016/02/09
© – Nuno Chaves | Smartphone Captur

Gente (de nós)

01
*
Há pessoas que se tornam tão especiais que nem a distância é capaz de afastar de nós.
“Mecânicos do Coração” que o consertam, que o colam e que nele fazem morada.
Gente que entra sem pedir licença, sem bater à porta. Gente presente, que se faz presente. Sempre.
Gente sem restrições, Gente que sabe que o amor vai muito além de qualquer barreira ou preconceito.
Gente que aceita defeitos e falhas sem criticar, porque compreendem que a perfeição não existe, excepto a de amar. Amar incondicionalmente e sem perguntas nem porquês.
É esta a gente entre mim, a gente de mim. A gente entre nós. A Gente de nós.
Esta gente que faz os dias valerem à pena!…
Gente que nos rouba beijos, sorrisos, esperanças e que dividem olhares cúmplices de afecto de carinho e ternura. Gente que retribuí, sem questionar, sem cobrar.
É esta a Gente.
Gente do nosso lado, que nos dá a mão e nos ampara.
Gente que nos está no olhar a cada novo recomeço. Gente que nos leva à boleia no vento da tarde, na corrente do rio, nas estrelas da noite, na brisa da madrugada.
Gente que nos dá saudades…
Gente que me sabe Amar, como Gente.
Gente de mim, de nós. Gente como eu.
A minha gente.

(Por vezes) SÓ

o movimento

Pergunto porquê. Penso. Sinto. Junto.
Contigo aqui
Por vezes como se não estivesses
Não entendo. Mostro, mostro-te, mostro-me.
Não entendes? Ou finges não entender?
Só. Sinto-te só, somos sós. Só
Anseio, vontade, saudade. Só
Se ao menos entendesses
perdi-me, perdi-te, perdeste-me
Estamos aqui (e não nos vemos)
quero-te
Pergunto porquê? e para quê?
Abraço. Abraça-me
Entendes e finges não entender.
eis-me aqui
Procuras-me e não me vês

“O MOVIMENTO”
© – 2016 | Nuno Chaves Fotografia
Todos os Direitos Reservados

Texto:
Nuno Chaves – Maio de 2000

 

Vídeo do Dia dos Amigos | Facebook

Circula pela rede social Facebook… O video do Dia do Amigo (que se comemora em Julho, curiosamente). Mas para comemorar a Amizade, qualquer dia serve.
O Bom da Vida são mesmo a Família e os Amigos, o resto é conversa fiada!
Aqui fica o (meu) tal video que assinala 12 anos de FB e que partilho convosco, não ilustra os meus amigos e aquilo que eles representam para mim, mas incluem seguramente alguns momentos recentes e de certa forma especiais.
Parabéns e obrigado a todos os que vão estando comigo. Parabéns também ao Facebook, por ter diminuído a distância, ressuscitado pessoas que julgava perdidas.
Para o bem e para o mal o FB, transformou sem dúvida as pessoas e a sua forma de estar e de viver a vida e as “Amizades”

Até hoje fui sempre Futuro…

O meu Futuro será sempre hoje.
O Futuro é isso mesmo, o presente vivido a cada dia.
Esse é, foi e será  o meu Futuro.

Nuno Chaves – 16 Dezembro 2015.

Fotografia: Released on: 2015/12/15
© – Nuno Chaves | Smartphone Captur
Pormenor da estação do Metropolitano de Lisboa | Estação do Saldanha

O Jogo Inventado

woodkid_golden_age_music_video_1

Uma das maiores e mais violentas formas de destruição pessoal é a guerra interior com que todos nós mais dia menos dia, nos iremos defrontar

Conhecer-se a si próprio, constituí talvez, uma das mais árduas tarefas que o ser-humano encontrará. A maioria nunca chega a consegui-lo.
Uns roçam o impossível, outros ficam pelo caminho… Ainda assim alguns quase alcançam  a meta.

Ouvi dizer, que a vida não é um jogo. Concordo… Finalmente.
Combate violento este. Não se perdeu, não se ganhou, mas do céu ao abismo, foi um passo.

Alma de Papel, livre de sentimentos, que hoje não é mais do que uma recordação amachucada pelo tempo, um livro fechado que em vão se tentou abrir.
Ainda cá estou, deste lado da Página.

Uma após outra, Página a Página, caminhando num jogo inventado. (…)

26 Novembro 2015

Contra (dicções)

No meio da loucura, da confusão, dos meus muitos “eus”, do querer tudo, do não chegar nunca, do ser nada… sinto ainda o querer… de não querer nada.

Nuno Chaves – Lisboa, 4 Novembro 2015

 

logo

*

Esperar?

Esperar doí. Esquecer doí... 
E não saber se se deve esperar ou esquecer é a pior das dores.

*

O mundo continua a girar, e pelo menos uma vez por ano irá passar no mesmo lugar.
Acredito que quando se acredita, a espera compensa.
Acredito que não devemos reter palavras, actos ou gestos só porque temos medo.
A espera, o medo, a dor, e a desilusão, fazem parte da vida. Fazem parte de nós (são a outra metade da laranja).
Sem eles, nunca saberemos se valeu a pena a espera.
Acreditar é a resposta. Espera enquanto acreditas.

Nuno Chaves – 28 de Agosto de 2015

Fotografia: “RIR PARA NÃO CHORAR”
© 2015 – Nuno Chaves – Fotografia
Todos os direitos Reservados

Ponto de Partida…

© 2015 Fotografia: Eduardo Alves Released in Tunes on: 2015-08-09

© 2015 Fotografia: EA
Released in Tunes on: 2015-08-09

.

Sou um misto de contradições…
Entristece-me de tal maneira que me apetece saltar deste comboio em andamento, de voltar para trás e abraçar-te como se não houvesse amanhã.
Ao mesmo tempo, conforta-me saber-te lá… naquela plataforma onde te abracei uma última vez, quase a medo por saber que poderia ser o último.
Conforta-me saber que estavas lá… a olhar para aquele comboio, como que a congelares o momento, e que me quiseste uma vez mais, por uma fracção de segundo.